Agora, mais do que nunca, os pais procuram a resposta para a questão de quanto tempo diário em frente aos ecrãs é adequado para os seus filhos.

Entre televisores, computadores, smartphones e tablets, uma família pode ter em casa mais de 10 ecrãs. Consequentemente, quando a frequência de utilização se torna excessiva, correm-se diversos riscos que abrangem desde a saúde até ao desenvolvimento psicossocial das crianças e jovens.

Esta quarentena não está, milagrosamente, a tornar as crianças mais maduras ou capazes de, de repente, fazer melhores escolhas em frente aos ecrãs. Também não está a tornar os ecrãs menos tóxicos e à prova de vícios. Na verdade, as crianças e jovens ainda não conseguem gerenciar o próprio tempo que passam no computador, no smartphone ou a ver televisão. 

Como devem os pais limitar o tempo dos filhos em frente aos ecrãs quando as rotinas desaparecem?

Foco e concentração

Em geral, o foco deve ser a escola, as habilidades para a vida e o tempo para a família. Cada minuto gasto em frente ao ecrã representa menos tempo dedicado a essas áreas. Cinco horas diárias de jogo ou redes sociais ao longo de um mês são 150 horas que podem ser investidas numa habilidade de vida ou outro hobbie divertido.

Reservar as horas necessárias para o ensino à distância

A telescola deve ter prioridade, mas também é importante ficar de olho nas possíveis distrações. Após este período, de maneira a manter o equilíbrio, desligue o computador e recolha os tablets e smartphones para assim poder iniciar uma atividade diferente.

Programar atividades e tarefas diárias

Em casa não queira que o seu filho acredite que vive num hotel, sendo determinante que as tarefas sejam cumpridas por todos. Simples tarefas como preparar refeições, organizar e limpar. Certifique-se de incluir também tempo para leitura, exercícios, praticar mindfulness, ser criativo offline e socializar, seja numa chamada de vídeo ou por telefone (por enquanto).

Estabelecer limites

Cabe aos pais a tarefa de limitar o tempo de utilização das tecnologias, pois proibir não é solução. Esta nova rotina exige estrutura, planeamento e uma atitude alegre e positiva da sua parte.

Estar presente, divertir-se e conversar 

Passar tempo com os filhos é sempre mais importante do que o tempo passado em frente aos ecrãs. Estimule-os a conviver face a face com os seus pares (família), pois só deste modo poderão tornar-se adultos equilibrados e felizes.